quinta-feira, 10 de julho de 2008

...


Tenho saudade de mim mesmo,
saudade sob aparência de remorso,
de tanto que não fui, a sós, a esmo,
e de minha alta ausência em meu redor.
Tenho horror, tenho pena de mim mesmo
e tenho muitos outros sentimentos
violentos. Mas se esquivam no inventário,
e meu amor é triste como é vário,
e sendo vário é um só.


Poesia Completa de Carlos Drummond de Andrade

2 comentários:

Dina disse...

Todos em determinados momentos das nossas vidas temos saudade de nós próprios...

Rosemary disse...

Li este poema e deu-me vontade que fosse meu, não por sentir o mesmo que Drummond, mas por conseguir sentir o que Drummond sentiu ao escrever. Que bela escolha de palavras!

beijinho